sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Maratona Rock'n'Roll Lisboa 2013 - A minha estreia nos 42,195 km

No sábado, ao preparar o equipamento, dei por mim a pensar se teria feito tudo bem na preparação desta maratona. Cheguei à conclusão que fiz o suficiente para acabar a prova e não cair para o lado. Nos últimos meses, tinha seguido um plano que incluiu treinos longos ao fim de semana, tinha falado com maratonistas e lido bastante sobre o tema. Além disso, tinha descansado muito nas duas semanas anteriores à prova. Portanto, estava calmo quando me deitei nesse dia. O que não evitou, ter tido dificuldade em adormecer.

No domingo, o plano era acordar cedo, deixar o carro perto da Gare do Oriente, apanhar o metro para o Cais do Sodré e aí o comboio para Cascais. Muita gente fez o mesmo plano.
Correu tudo como o previsto e a viagem de comboio para Cascais foi muito interessante. Eram mais estrangeiros que portugueses. Pelo que me pareceu, a maior parte eram Ingleses, Holandeses e Alemães. Tudo pessoal magro e bem equipado para correr. Fiquei junto a uns Ingleses bem dispostos e fui ouvindo o que diziam. Falaram de outras provas que tinham feito pela Europa e das peripécias aí vividas. E riam muito. E às tantas, já metiam conversa com os Holandeses. A viagem passou num instante.

Chegado a Cascais e ao local da partida, foi fácil avistar as camisolas amarelas do João Lima e da Isa. Como sabem, foi com eles que fiz todos os meus treinos longos. Estavam calmos, tal como eu. A Isa também se estreava na maratona.

 
Falámos um pouco e aproveitámos para a última ida à casa de banho. O João e a Isa iriam fazer a prova juntos, eu tentaria correr um pouco mais rápido.
Aproveitei para ver o aquecimento dos atletas de maior nomeada, os africanos. É quase tudo malta de baixa estatura e muito magra.


O João conhece quase todos os atletas do pelotão, entre eles o grande atleta de Trail, Luís Mota, com quem estivemos um pouco à conversa. Uma pessoa simples e simpática, um verdadeiro Campeão. Também encontrámos o Pedro Carvalho, ia participar na sua segunda maratona e queria baixar das 4 horas.
Já mais perto da hora de partida, encontrámos o Jorge Gois ,que eu já tinha conhecido (através do João) no GP do Atlântico. O Jorge já era maratonista.
Quando já falta muito pouco para o tiro de partida, reparo que o meu Garmin ainda não tinha apanhado o sinal de satélite. É dada a partida e satélite nada. Não acredito nisto, é a minha estreia na maratona e não vou registar o tempo como deve ser. Estava eu todo lixado, quando o Jorge Gois se aproxima e me pergunta que marca estava a pensar fazer. "Epá, se conseguisse fazer 4h30 era espetacular, mas não sei se consigo". Entretanto o relógio lá apanha o satélite, mas já estamos quase no 1º km. Chegados ao km 1, reinicio o cronometro para poder controlar o ritmo/km. Ao menos isso.
O Jorge diz-me que esteve adoentado, treinou pouco, e como não iria dar o seu máximo, ofereceu-se para me acompanhar durante a prova. Como se verá no final, este foi o momento crucial da minha estreia na maratona. Correr acompanhado por um atleta mais experiente, fez toda a diferença.
Nos primeiros km, conversámos muito sobre os cuidados a ter numa maratona. Não se devia forçar muito no início, 42 km não eram brincadeira. A hidratação também era muito importante, não falhar nenhum abastecimento. Levei uma bolsa à cintura com géis, marmelada e uma barra energética, não queria ser apanhado desprevenido.


"Este ritmo está bom para ti?" perguntava o Jorge, eu disse que sim e continuámos a correr a uma média de 6:20/km.
Até aos 10 km, nem reparámos nas placas a informar a distância.
A determinada altura, juntou-se a nós uma atleta conhecida do Jorge, a Sandra Silva.


A Sandra já tinha feito outras maratonas, mas queria fazer esta prova a um ritmo calmo. A conversa e a presença do mar, ajudaram a não dar conta da passagem dos km.
Em Oeiras, fizemos um desvio e a certa altura houve cruzamento dos atletas. Consegui ver a Isa e o João, parecia que estava tudo bem.
Pouco depois, outro atleta conhecido do Jorge se juntou ao grupo. Era o Luís Parro, estava a fazer um treino longo e ao mesmo tempo tirava fotos ao pessoal. Este atleta corre que se farta e é uma companhia bastante alegre. Mais tarde, o Luís foi à vida dele e a Sandra preferiu fazer a prova num ritmo mais controlado. Foram uma boa companhia.
Eu estava a aguentar o ritmo, mas seria assim até ao final?
Nos abastecimentos, bebia alguma água e molhava a cara com a que restava. O calor já apertava.
Aos 18 km, em Caxias, entrámos no passei marítimo e por aí fomos até à Cruz Quebrada.
Durante esta parte do percurso, jovens empunhavam bandeiras de vários Países. Houve muitas nacionalidades nesta prova.
E chegámos a Algés, à marca da meia maratona. Até ali, o nosso ritmo tinha andado sempre entre os 6:10 e os 6:30/km.
O Jorge ia sempre perguntando se estava tudo bem e eu confirmava que sim. Estava bem e não me doía nada. Como previsto, de 5 em 5 km tomava um gel e não tinha nenhum sinal de fraqueza. Mas ainda faltava outra meia maratona.
Penso que foi nesta altura que encontrei a Carla e o Jaime com as suas bicicletas. Este simpático casal não quis faltar com o seu apoio. Muito obrigado aos dois.
Até ao Terreiro do Paço, mantivemos a mesma passada e fomos ultrapassando muitos atletas. Eu sentia-me bem, mas começava a pensar se não estaríamos a exagerar no ritmo. Ainda faltava tanto! E se aparece o tal muro?
A ideia do Jorge era tentar manter este bom ritmo e abrandar um pouco na passagem pelos Restauradores. De facto, o trajeto para os Restauradores convidava a correr de forma mais calma e assim fizemos.
"Agora é que a maratona vai começar" disse o Jorge, 32 km já tinham ficado para trás. O meu maior treino longo, foi exatamente essa distância, agora era tudo novidade para mim.
Nos abastecimentos, começávamos a andar 5 metros antes e só iniciávamos a corrida 10 a 15 metros depois, os poucos segundos que se perdiam eram compensados por uma boa hidratação. Esta indicação do Jorge foi muito importante para nos manter-mos bem hidratados. Nestes abastecimentos já havia bananas e laranja, souberam mesmo bem.
Agora os km demoravam a passar, nunca mais chegava a placa do km seguinte, era a parte mais difícil da prova. Em Santa Apolónia, distraí-me um pouco das dificuldades ao olhar para um enorme navio de cruzeiro que lá estava atracado.
As minhas pernas já não eram as mesmas, estavam mais pesadas e começava a ter dificuldades em acompanhar o ritmo do Jorge. Até aos 40 km vi muitos atletas a bater no tal muro, deitados na berma da estrada e a serem ajudados por outros atletas. Mesmo ao entrar na zona da Expo, vejo um atleta a entrar numa ambulância com a ajuda dos médicos. Já imaginaram, depois de correr 40 km, não ser capaz de dar mais um passo? Não terminar uma maratona, quando se está a menos de 2 km do final? Primeiro está a saúde, claro, mas deve ser uma sensação terrível.
Quase a chegar ao Vasco da Gama, comecei a pensar que se calhar ia conseguir, ia ser maratonista. Em frente ao C. Comercial, estava a Rute. Já tinha corrido a meia maratona, mas voltou para acompanhar os amigos que se estreavam na distância. Correu connosco o último km de prova, um gesto bonito e que não esqueceremos. Obrigado Rute.
Depois de correr os derradeiros 195 metros, corto a meta cansado mas feliz, tinha conseguido terminar a minha 1ª maratona. Recebo a medalha, é bonita e pesada. Quem acaba uma maratona merece uma medalha assim.
Já fora da zona da meta, sou atacado por fortes cãibras, primeiro a perna direita e logo de seguida a esquerda. Nunca me tinha acontecido uma coisa destas, deito-me no chão e sou ajudado de forma a colocar os músculos no lugar. Passado uns minutos, consigo levantar-me mas fico a andar com algumas dificuldades. Posso dizer que tive sorte, atingi o meu limite já depois de passar a meta. Se isto tivesse acontecido aos 37 km, muito dificilmente terminaria a prova.
Entretanto fiquei a saber que o João Lima tinha desistido da sua 2ª maratona devido a problemas intestinais. Foi pena, são situações que podem sempre acontecer. Naquela altura já estava bem. Mas a deceção de ter que desistir, foi largamente suplantada pelo orgulho de ver a Isa terminar a sua 1ª maratona. Ficou provado, se dúvidas houvessem, que ela é uma mulher de fibra. Parabéns Isa.


Como já disse, foi muito importante para mim ter a companhia de um atleta mais experiente. Podia terminar a prova, mas o tempo não seria de certeza 4:29:32.

Por isso, o meu muito obrigado ao Jorge Gois pela grande ajuda que me deu.


Dia 6 de outubro de 2013, foi um dia muito importante para mim. Consegui correr uma maratona. Fiquei a acreditar mais em mim. Se eu me esforçar, eu consigo.


Parabéns a todos os amigos da blogosfera, que participaram na mini, na meia ou na maratona. Todos ganhámos!


33 comentários:

  1. Mais uma vez, muitos parabéns Vítor. Tiveste uma estreia espectacular e a indiciar que poderás ir muito mais longe!

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado João.
      Foi muito bom. Mas para melhorar, só se perder os teimosos quilos :)

      Abraço

      Eliminar
  2. Parabéns! Grande tempo! Eu sabia que eras capaz! Um abraço e boa recuperação

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Sílvio
      Estou muito contente.

      Abraço

      Eliminar
  3. Parabéns pela conquista dos 42 kms!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Luís.
      É uma sensação incrível.

      Abraço

      Eliminar
  4. Há uma lição que vou reter, não só da tua experiência, mas também de outros que fizeram a maratona: numa primeira prova, ter um segundo elemento que nos acompanhe, não só em treinos, mas também no dia da prova é muito importante.
    Muito parabéns, Vítor! Muito justo e merecido!
    Beijinhos e boa recuperação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Anabela.
      A companhia foi fundamental para aguentar as dificuldades, especialmente a partir dos 30 km.

      Beijinhos

      Eliminar
    2. Foi um dos meus problemas na minha 1ª. Prescindi de companhia por causa de uns meros 5 segundos ao Km e depois foi um martírio.

      Eliminar
  5. Que fantástico tempo Vitor!!!
    Estás de parabéns!!!
    Não imagino o que deve ser para alguém ter que fazer uma prova destas sozinho, uma companhia vale ouro, como valeu a tua! :)

    Muitos Parabéns Vitor!! Beijinhos e agora é recuperar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Marta.
      Sem companhia teria sofrido muito mais, o que se notaria no tempo final.

      Beijinhos

      Eliminar
  6. "Fiquei a acreditar mais em mim. Se eu me esforçar, eu consigo." - É mesmo verdade Vitor, guarda esse mote para os projectos futuros! ;)
    Beijinhos e, mais uma vez, estás de parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Rute.
      Agora não há desculpas, se consigo correr uma maratona, tenho de conseguir ultrapassar qualquer desafio que me apareça pela frente ;)

      Beijinhos

      Eliminar
  7. Muito bom Vítor. Parabéns, MARATONISTA. Conseguiste manter um ritmo muito constante ao longo de toda a prova e isso foi fundamental. Parabéns também ao Jorge Gois, por ter completado mais uma maratona e pela companhia que te fez.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Tiago.
      Sozinho não conseguia.

      Abraço

      Eliminar
  8. Mais uma vez muitos parabéns!!! =)
    Conseguiste!
    É uma grande alegria e um grande orgulho sermos maratonistas. Termos conseguido superar as adversidades e chegado à meta bem. Não há palavras suficientes que descrevam todas as emoções vividas.

    E que dizer do espectacular tempo que fizeste? Numa estreia ainda por cima! Grande atleta!

    Beijinhos e venha a próxima! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Isa.
      Sim, também estou muito orgulhoso. Reforcei bastante a confiança em mim próprio. O bom tempo, tenho que o agradecer ao Jorge Gois.
      És uma mulher determinada, sais duma maratona e já estás noutra :)

      Beijinhos

      Eliminar
  9. Grande Vítor....parabéns mais uma vez, pela excelente prova e respectivo tempo alcançado. Bem-vindo ao clube!!!
    Qual é o próximo grande objectivo?
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Carlos.
      Gosto muito do clube!
      Este ano já não vou forçar muito, mas para o ano, vou de certeza fazer uma ou mais provas de 40 e tal km (Trail). Devido aos relatos do pessoal, a Serra D'Arga será uma delas. Ainda ando a pesquisar.

      Abraço

      Eliminar
  10. Grande prova e grande tempo! Isso foi mesmo feito ao milímetro! As cãibras vieram na altura "certa" (melhorar era não terem vindo mas como vieram antes assim)!
    Parabéns e um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Jorge Branco.
      Nunca me tinha acontecido, mas ainda bem que foi depois de ser maratonista :) Se fosse antes, não teria conseguido continuar.

      Abraço

      Eliminar
  11. Parabéns Vítor!
    E tiveste uma óptima companhia. Acredita que faz muita diferença.

    Abraço!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Pedro.
      A companhia não estava prevista, mas ainda bem que apareceu.
      Fez mesmo muita diferença.

      Abraço

      Eliminar
  12. Parabéns Vítor pelo título de Maratonista e por ter amigos queridos que te incentivam e apoiam. Surpresas boas que acontecem para pessoas boas. Bons treinos. Ju

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Ju.
      Com a corrida, tenho conhecido muita gente boa.

      Beijinhos e bons treinos

      Eliminar
  13. Muitos parabéns meu amigo maratonista Vitor.

    perdoa-me se escrever mais do que os outros amigos, mas sei o quão merecida é essa medalha que conquistaste!
    Ser Maratonista (como falamos durante a prova) requer uma atitude extraordinária perante a vida e perante as adversidades. Já vimos como o ser humano é fantástico e consegue com mt treino e motivação, conquistas inimagináveis se souber ouvir o seu corpo e ser paciente.
    Durante a Maratona passamos por muitas fases desde a euforia inicial de participar num evento desta natureza, em que é fácil deslumbrarmo-nos e correr em ritmos absurdos, á apreensão, á duvida, á incerteza se acabamos num apelo constante á resiliência e até á dor.
    Uma maratona deve ser abordada de forma diferente de qq prova por isso é a rainha de todas as provas ( tinha de ser gaja pra ser exigente )
    recordas-te que mesmo nas fases em que nos sentimos bem, nunca nos iludimos e soubemos manter cadencias e preservar o objetivo primário que é sempre a integridade física e mental. nunca saltámos um abastecimento e foi crucial, pois estivemos sempre hidratados e alimentados. Fizemos uma prova de trás pra frente e passamos muitos atletas bem mais experientes que nós, pessoas fantásticas que merecem todo o nosso respeito e amizade e que geriam o seu esforço de forma controlada. O nosso ritmo foi o adequado ao teu objetivo que era terminar bem e se possível abaixo das 4.30h excelente !!! acertámos em tudo ;)
    bem sei que passaste fases complicadas e que o mais fácil seria começares a andar ou no limite desistires, mas nem uma nem outra eram opção..

    Fizeste a tua prova sempre em corrida á excepção da enorme disciplina que marcámos qt aos abastecimentos de andar uns metros para hidratar convenientemente e até do ponto de vista psicológico ser mais favorável aquela pequena quebra de 30` ou de 10-15 metros..
    os últimos km senti as tuas dores, senti que estavas a quebrar, por isso mudávamos de rota constantemente e nunca atrás de quem estava pior que nós..( lembraste) desviava-te de olhares as longas rectas e mantinha-te o mais possível a correr pela sombra..acho que foi importante naquela fase!
    mas se senti as tuas dores , também sentia enorme motivação e vontade de alcançares este patamar desportivo. Que é todo teu por mérito próprio e que nunca alguém to poderá tirar.
    E digam o que disserem só quem corre os 42.195m sabe o que significa cada metro.

    És um Maratonista meu amigo..

    e foi um prazer acompanhar-te

    grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge, obrigado pelo excelente comentário!
      Tocaste em pontos que eu me esqueci de mencionar, coisas que foram muito importantes para quem se estreava na distância. Fiquei ainda com mais respeito pela maratona e pelas pessoas que a desafiam. E tirei ensinamentos para a vida.
      Se não fosse a tua ajuda, a minha estreia não teria sido tão boa.
      Muito obrigado pela companhia e ajuda.

      Abraço e boas corridas!

      Eliminar
  14. Olá Vitor,
    agora temos que procurar outro objectivo ...

    Manuel Nunes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Manuel.
      Para já, vou dedicar-me mais ao Trail. Em 2014, quero fazer duas Ultras.

      Abraço e bons treinos

      Eliminar
  15. Parabéns, a 1ª vez é mesmo especial, é saborear e desfrutar da conquista.
    Força,
    António Almeida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado António.
      Às vezes, ainda não acredito que consegui :)
      Fiquei mais forte.

      Abraço e bons treinos.

      Eliminar
  16. Com atraso...mas não quero deixar de te dar os Parabéns! é isso mesmo se nos esforçarmos e trabalharmos para atingir um fim, conseguimos!

    Que tenha sido a 1ª de muitas, porque Maratona é Vida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Ana.
      Foi um dia muito importante para mim.
      A minha ideia é que tenha sido a primeira de muitas, vamos lá ver.

      Bjs

      Eliminar